quinta-feira, janeiro 31, 2008

It´s a holiday in Camboja.

Ontem uma tubulação de gás explodiu aqui em frente ao meu prédio. Foi notícia. Fui a padaria agorinha mesmo, e o funcionário que apareceu várias vezes nos noticiários, estava lá trabalhando. Com a mão enfaixada e a cara queimada. Virou atração na padaria. A explosão fez os prédios estremecerem e me fez temer acender o gás para fazer meu almoço.

Bem, banho só tomo frio, inclusive no inverno, então não temo morrer durante o banho. Mas fritar um ovo fica meio assustador. Hoje cozinhei metade microondas, metade grill.

Durante toda noite, homens quebraram asfalto com britadeiras. Aqui em casa é tranqüilo. O som da rua é distante. Mas para quem mora em frente deve ter sido um horror. Operários são barulhentos. Eles trabalham pesado. Assisti durante um tempinho um homem manejando uma britadeira. Ai.... eu sempre fico chocada com isto. Que barra é operar uma britadeira. Pensei no Alandelon, o personagem da novela Barbudos Cretinos e suas histórias canalhas. É mesmo um trabalho que mexe com seus nervos. Mexe com os meus só de olhar.

Li uma reportagem que no Vietnã existem muitas minas e que toda semana morre alguém vítima de uma. Não tivemos uma guerra por aqui, mas Botafogo, parece um campo minado. São tiros que descem do morro Dona Marta e explosões que rasgam o asfalto.

Mas é aquilo.... o carnaval está chegando.


O melhor deste carnaval é o ano novo chinês marcando o ano do rato, que ajuda a realizar bons projetos e elaborar novos. Um período de abundância. Que venham os ratos.

Os bons ratos.

Os maus ratos devem ir para o esgoto e esgotarem-se.

Durante o carnaval, muitos ratos saem dos esgotos e a maioria entram nos esgotos das cidades.

Tudo isto é metafórico.

Durante o carnaval, me esconderei. Não, não.... não me enfiarei em um esgoto.

Não gosto de samba. Não gosto de carnaval. Não gosto de praias. Não gosto de tomar sol.

Do que eu gosto?

Ora...

Gosto de descobrir velhos filmes. Não tão velhos quanto os chineses, porém bem mais velhos que eu. Assisti ao filme Ascensor para o cadafalso, de Louis Malle.

Se você também não gosta das coisas listadas acima, certamente gostará deste filme.

É um desses filmes que seria quase inviável de ser realizado nos dias atuais devida a existência do celular. É um filme raro de se ver. Belíssimo.

Fica a dica para o feriado:

Suba para o cadafalso e que

os ratos desçam para os esgotos.



*That´s all folks*

3 comentários:

Léo e só disse...

oi Ana. Sou leitor antigo do blog.
mas de pouco falar.

venho aqui pra dizer, que é uma maravilha encontrar outras pessoas que não gostam do carnaval.
não só você, como outras pessoas que leio, são pessoas que não gostam do carnaval, e isso faz com que não me sinta um verdaeiro estranho no ninho.

abs

ana paula disse...

Pois é, Léo, você não está só.

Simone disse...

Pois é, eu ia te perguntar isso: se você tá bem!
Saí de casa às 10 da manhã e senti um cheiro de gás fortíssimo passando pela sua calçada e em frente ao metrô. Lembrei que sempre que isso acontece explode um bueiro. Já aconteceu em frente ao Santo Inácio quando eu estudava lá. As aulas foram interrompidas.
Quanta coisa acontece perto de você/da gente, hein! Esquartejamento, explosões, invasão policial... Botafogo é um diamante bruto pra literatura.