terça-feira, agosto 05, 2008

Além da ficção.

"— O que faz nas horas de folga, Montag?
— Muita coisa... corto a grama...
— E se fosse proibido?
— Ficaria olhando crescer, senhor.
— Bom."



(Trecho de diálogo do filme Fahrenheit 451 - baseado na obra de Ray Bradbury - direção François Truffaut/1966)


PS: Fahrenheit 451 é a temperatura em que os livros queimam.


Refletindo por este caminho... imagine se a escrita virtual tornasse a vida uma ameaça? Mas aí quando digo "escrita virtual" caio na tentação de questionar que toda a escrita não seria virtual? Enfim... para combatê-la seria preciso paralisar as máquinas. Ou de uma maneira muito mais cruel e sutil: empobrecer cada dia mais a educação. Hum... devo dizer que nem precisarão queimar os livros. Eles permanecerão intocados nos altos topos das prateleiras. Também estarão espalhados pela cidade servindo de barricadas, para calçar pés de mesas; uma pilha pode-se transformar num banquinho. Encontrarão outras medidas além da incineração.


*That´s all folks*

5 comentários:

Simone disse...

Também comprou o DVD do Fahrenheit por 12,90 nas Americanas??
Falta eu ver o meu.

ana paula maia disse...

haha. é ruim, hein!
baixei mesmo.

Bayão disse...

Vi hoje - HOJE - uma versão pocket do livro (em inglês) no Gávea Trade Center. Edição comemorativa, irresistível. Se ninguém ler este post e correr pra lá, na sexta ele é meu. Adoro o filme do Truffaut, mesmo sendo um dos piores dele - o que ainda assim o coloca acima de 99% dos outros filmes que estão por aí.

Léo e só disse...

olá

A história é muito boa, mas sei não, a direção do Truffaut não me empolgou, não.

Talvez se você um outro diretor, mais acostumado com esse gênero, não necessariamente um diretor de sci-fi,
o filme me golpeasse mais.

Porém, o argumento do Ray Bradbury é muito bom!

mas a realidade, como você descreveu, parece superar a ficção. Denovo!

abs

Marcelo Novaes disse...

Oi, Ana.

Diogo Mainardi, que é ácido quase que por cacoete, diz que as pessoas escrevem na Net para não serem lidas. Esta é uma questão que está em aberto pra mim. Sou novato na net. Quase um trovador medieval perdido no mundo tecnológico. Comecei a usar msn, orkut, essas coisas, em setembro do ano passado. E passei a fazer blog, em dezembro. Quase virgem.
Mas livros talvez fossem objetos revolucionários ( ou "alavancas para a reflexão" ) na Renascença ou, em casos pontuais, para países e culturas que experimentam um recente aventura. Penso que, salvo um ou outro marketeiro eficaz, continuarão nas prateleiras, sem que ninguém precise queimá-los. Já ouviu falar de Morgana Dark?! Essa vai vender livros e, se abrir um blog ( já deve ter, mas não me dei ao trabalho de conferir), vai ter visitas como Bruna Surfistinha...

Capicce?!

"Killing me softly".

Beijos,

Marcelo.