domingo, setembro 21, 2008

O cheiro da tinta.

Entre latas de tintas, pó e caixas de papelão, vou tocando o barco. Agora, estou indo para a pintura do novo apartamento, onde vou morar em poucos dias. Mais tintas e poeira. Estou na fase das medidas, o que cabe, o que sobra, o que falta.
O cheiro da tinta aqui está se esvaindo, mas os dias chuvosos não colaboram. Bem, aqui a pintura está encerrada. UFA!

Amanhã, segunda-feira, é o lançamento de "RASIF - Mar que Arrebenta" (Record), do Marcelino Freire, aqui no Rio. Acontece dia 22, a partir das 18h30, na LIVRARIA ODEON. Mezanino do cinema Odeon.

Na terça-feira é a vez de Beatriz Resende lançar seu ensaio: Contemporâneos - Expressões da Literatura Brasileira no Século XXI.
Dia 23/9, terça-feira, às 19h, Cinemathèque Jam Club. Rua Voluntários da Pátria, 53
Botafogo - RJ.

Leia artigo do Estadão deste domingo AQUI.

Assim que as coisas se ajeitarem... eu volto a falar com mais calma.

*That´s all folks*

3 comentários:

Diogo Costa disse...

Tudo beleza, Ana.

Sempre passei por aqui, ainda que em silêncio. Conferi os pulps; bacana.

Postei um conto de um cara que escuta Johnny Cash; tá lá no blogue.

Boa semana pra você,

Abraço.

Fabiano Vianna disse...

-Cóf Cóf
-Me passa aquele pincel ali
-Aonde?
-Embaixo daquela lata de tinta branca
-Ah tá Cóf Cóf

Manoela Sawitzki disse...

e cá estou...
e já vi que tem pimenta nessa batata (incrível aquilo, não?)...
e já gostei...

um beijo e boa mudança procê, moça bonita...