segunda-feira, setembro 18, 2006

Espanando o pó e apagando vestígios

E a semana começa com chuva. Fria. E muito molhada. Parece que começou com cara de feriado de Finados. Para os finados isso não importa mais. Já findaram. Se é segunda-feira ensolarada ou domingo chuvoso, eles ficam sob nossos pés sendo devorados bem devagar. Depois de tentar subir na vida a vida inteira, terminamos o mais baixo possível. Isolados e abafados. Devorados até o pó. E o pó se espalha num sopro e deixamos de ser até pó. Vem a chuva e lava nossos vestígios do ar. Nem pó na terra, nem patículas no ar.
“All my life needed was a sense of direction,
a sense of someplace to go.
I do not believe one should
devote his life to morbid self-attention,
but should become a
person like other people”.
(TRAVIS _ Taxi driver)
*That´s all folks*

3 comentários:

Diogo Costa disse...

Depois dizem que nós somos poeira de estrela...

Abraço Ana,

Diogo.

Jefferson disse...

Oi! Li seu trabalho, seu folhetim! Lá não tinha onde comentar então deixo aqui meu elogio! Muito bom mesmo! Lembrou os contos de Sin City , mas adaptados a realidade brasileira! Vc é muito boa, parabéns!

ana paula maia disse...

Valeu Jefferson!

Pois é Diogo, pois é.

abçs