sexta-feira, novembro 24, 2006

Siga para Abalone

Você quer saber seu futuro?



Este é Apolônio de Tiana. Um dos personagens do filme As 7 Faces do Dr. Lao. Este é um dos meus filmes prediletos. Este filme é um exemplar de uma grande história. Anda esquecido, como as grandes histórias. Mas é simples também, exatamente como as grandes histórias.
Apolônio de Tiana é um personagem inesquecível. Quando fala sua voz descarrega sabedoria e serenidade. Parece um mar calmo. É profundo e misterioso, porém tranqüilo. Gosto de ouvi-lo. Mas tem sido difícil encontrar uma voz como a dele. Nem a ficção tem conseguido produzi-la.
Ele é um vidente. Pelo nome e aspecto, é grego. É cego também, uma espécie de Tirésias. E ele trabalha no circo do Dr. Lao. Sua tenda é simples e iluminada por uma tocha de fogo, que está em sintonia com ele. O fogo aumenta e diminuiu de intensidade de acordo com as suas emoções. Nota-se que Apolônio sofre e é um homem triste. Evidente que quem conhece o futuro não haveria de ser feliz. Mesmo com conquista e vitórias e um futuro melhor. Ainda assim, trata-se dos humanos. E onde há humanos há sempre fardo, triste e angústias. Somos tristes até quando estamos felizes. Temos tédio até mesmo quando tudo vai bem. A insatisfação me dá a impressão de ser mais forte no homem do que seu instinto de sobrevivência. Pois às vezes, o tédio mata.
Uma viúva da pequena cidade de Abalone, fantasiosa e esnobe, entra em sua tenda. Porém ela não é viúva, foi deixada pelo marido e inventou essa história para os outros. Vive de mentiras como provavelmente um monte de gente por aí e por aqui. A senhora de idade avançada bastante animada faz a primeira pergunta:
*Quando acharei petróleo nas minhas terras?
Ele responde: Nunca.
*Mas paguei caro pelas terras.
Ele diz: Desperdiçou seu dinheiro. Próxima pergunta.
*Quando vou me casar novamente?
Ele responde: Nunca.
*Que tipo de homem aparecerá na minha vida?
Ele diz: Não haverá mais homens na sua vida.
*De que adiante minha vida se não serei rica, nem terei mais homens?
Apolônio prossegue:
Eu apenas leio o futuro, não o avalio. O futuro é uma bobagem, até tornar-se passado.
*Eu quero saber o meu futuro, insiste a mulher.
Então Apolônio sacia sua curiosidade:
Amanhã será como hoje e depois de amanhã será como anteontem. Vejo o resto de seus dias como uma coleção de horas entediantes cheia de vaidades inúteis. Não terá novos pensamentos e se esquecerá do pouco que aprendeu. Mais velha ficará, mas não mais sábia. Mais obstinada, mas não mais digna.Filhos não tem e sem filhos ficará. Daquela doçura que teve na juventude; daquela simplicidade que outrora atraiu os homens, nada resta, nem as recuperará.
*Seu miserável e vil homem!
Ele retruca:
Espelhos freqüentemente são vis e miseráveis.Quando morrer será enterrada e esquecida, isso é tudo. E apesar de todo o bem e o mal, a criação e destruição que sua vida possa ter atingido, antes nem tivesse vivido. Lamento, mas é a minha maldição dizer a verdade pura.

*That´s all folks*

4 comentários:

poemusicas disse...

Este filme eu ainda não vi. Tu contaste mesmo a fala do personagem ou estavas a brincar.

Lindo o teu blog, prometo voltar mais vezes,

um Beijo

Naeno

ana paula maia disse...

Oi! É mesmo a fala do personagem. Na íntegra.
Volta sim! Travis te espera!

bj

Daiane Tamanaha disse...

Um dos diáologos mais incríveis do cinema! Obrigada!

Miss Wojtyla disse...

amo esse filme